JERUSALÉM



Jerusalém tem uma aura completamente diferente de Tel Aviv. Um magnetismo único e uma carga emocional disponível apenas para quem lá vai. A Cidade Velha, aquele 1km2, é um lugar único no mundo. Ali encontram-se os locais sagrados de três grandes religiões: cristã, judaica e muçulmana. É uma emoção que não tem palavras vaguear pelas ruelas dos bairros arménio, judaico, cristão e muçulmano e visitar o Santo Sepulcro, o Muro das Lamentações e a Mesquita Al Aqsa. Tanta fé, tantas preces e desejos, tantas lágrimas e sorrisos. Somos tão diferentes e tão iguais. Não gosto muito de lugares comuns mas não há como fugir de alguns aqui. Tanto desamor no mundo por motivos religiosos quando, no fundo, todos procuramos a mesma inspiração.
Senti algum pudor em fotografar, não queria ferir susceptibilidades. Quem visita Jerusalém fá-lo por motivos tão diferentes que em certos locais o melhor é guardar a máquina e absorver a experiência.
Acho que cumpri um sonho embora sempre tivesse sentido que chegar aqui não estaria no meu caminho. Ainda bem que mudei de estrada. Visitar Jerusalém engrandece a viagem a Israel. Fomos e viemos no mesmo dia, de autocarro (simples, prático e barato!) mas penso que a cidade merece mais tempo. Além da Cidade Velha, do Monte das Oliveiras, Jerusalém tem uma parte nova super cosmopolita e que acabámos por não conhecer.
Não se vive de forma tão descontraída como em Tel Aviv mas sente-se uma enorme paz de espírito. Vou guardar estas imagens para sempre, estou mais rica, o que vem de encontro à celebre frase que nos diz que "viajar é a única felicidade que se pode comprar"!























"To see a World in a grain of sand,
And Heaven in a wild flower,
Hold Infinity in the palm of your hand,
And Eternity in a hour."

William Blake (fragmento de Auguries of Innocence)


Fotografia | Tatiana Figueiredo



O The Close Up no Facebook, aqui!

No comments:

Post a Comment