Isabel

Não a conheço. Nunca a vi mais gorda nem mais magra. Ouvi o nome pela primeira vez quando o projecto Daily Cristina se tornou publico. Ficou-me na memória. Gostei das fotografias. Captaram a minha atenção. E depois percebi que aquela mão que dispara o botão da máquina fotográfica pertencia a uma loiraça de 1,70 e pernas esguias. 
Chamem-me o que quiserem mas eu acho que o mundo da fotografia de moda em Portugal pertence aos homens, ainda. Por isso, a imagem da Isabel não passa despercebida. Não é todos os dias que vemos uma loira, alta, gira que se farta e bem vestida, de máquina em punho a fotografar. Fui espreitando o trabalho que fazia no Daily Cristina até perceber que tem uma página no facebook e um blogue. E foi aqui que tudo mudou. Se já gostava da fotografia, passei a amar. E descobri uma série de coisas mais... que é adita das redes sociais e do instragram, que brinca com as palavras como se fossem bagos de arroz e que, além da sua, ainda esfrega a cabeça a mais duas loiras que parecem saídas de um catálogo.
Gosto de quem não tem medo de abrir o livro desta forma, que mostra a janela do quarto sempre aberta para a vida, os caracóis de uma loira e o cabelo liso da outra, que fotografa "Cristinas" e famílias e despedidas de solteira e quem mais quiser sentir-se especial e que tem uma Dona Alice na rua perdidamente apaixonada pela loja do Manjur.
Acho que por esta altura já perceberam de quem estou a escrever!
Bom, eu sigo a Isabel Saldanha no Instagram e um dos muitos mil "likes" do facebook é meu e é por isso que eu sei estas coisas todas. É uma questão de pele, eu acho que se um dia conhecer a Isabel vou gostar dela de certeza.




TCUP- No dia em que fizeste anos, partilhaste no facebook, o quanto a tua vida mudou desde a última vez que apagaste as velas. Quem era a Isabel Saldanha há um ano atrás? Que desejos tinha?
Isabel Saldanha- Era uma miúda irrequieta a dar o litro, a dormir cinco horas por dia, a tentar ir a todas, com uma máquina e um bloco na mão.

TCUP- Fotografia ou fotografar. Que papel assumia e assume agora na tua vida?
IS- Ambas. Livros de fotografias nas estantes, fotografias no computador, equipamento espalhado pela sala, tiques nos dedos, mãos ocupadas, coração cheio.

TCUP- O que te transmite? É mais do que uma profissão? Era um sonho, um talento inato ou uma aprendizagem?
IS- Nunca tive sonhos fixos, vou mudando, vou crescendo e vou sonhando. É mais fácil quando já se tem um talento, mas não acredito em milagres. Nada se gera sem aprendizagem e trabalho.

TCUP- E as palavras? Como surge a escrita na tua vida?
IS- A escrita é uma pré-existência. As palavras para mim são tudo, são o que liga, o que desliga, o que se diz e o que se cala. São o meu verdadeiro vício. Se me perguntassem, uma máquina ou uma caneta? Só tinha que arranjar um bloco.


TCUP- Confesso que apenas conheci o teu trabalho no Daily Cristina? Que impacto teve o projecto na tua vida como fotógrafa e mulher?
IS- A mulher que existia antes é a mesma que existe depois. A fotógrafa é que teve a sorte de ser escolhida a participar num projecto desta dimensão, no seu arranque, o que é absolutamente único. Desde o primeiro shooting que eu e a Cristina sentimos uma empatia que nos ligou e nos continua a ligar condicionalmente ao projecto e além dele.

TCUP- Enquanto fotógrafa qual é a tua filosofia. Há momentos especiais ou tudo é digno de se fotografar, muitas vezes depende é da perspectiva?
IS- A minha filosofia é ter espírito e vontade de fotografar. Se conseguir conjugar as duas coisas, é top. Tenho especial gosto por fotografar pessoas porque adoro conversar.

TCUP- Ao que dás mais valor: um bom local, um bom rosto, uma boa máquina ou uma boa luz?
IS- A uma boa pessoa. Tudo o resto se arranja :)


TCUP- Além da fotografia, que outros projectos tens em mente para a tua vida?
IS- Ufa, tenho tantos. Estou a escrever um livro, estou a escrever música, prestes a iniciar a produção de uma longa metragem com o meu argumento, a preparar uma exposição de rostos, a dar os primeiros passos no coaching, a realizar workshops de escrita e fotografia e a preparar a minha plataforma onde revelo isto tudo!

TCUP- O teu blogue, o que procuras com ele?
IS- Um canal mais directo para falar com as pessoas, longe do ruído das redes sociais onde a palavra também possa viver sem a dependência directa da fotografia. E onde eu possa mostrar trabalhos mais genéricos e outras áreas de interesse que ainda não são conhecidas pelo meu público.


TCUP- Como espectadora vejo que partilhas a tua fotografia e a tua paixão pela vida, de braços abertos e sem preconceitos. A Isabel tem uma filosofia de vida?
IS- Nada que dê um lema bonito, só quero é ser feliz.

TCUP- Três é um número perfeito?
IS- Quatro era bom. Três é a conta que Deus fez.

TCUP- Como são a Caetana e a Camila, além de excelentes modelos fotográficas?
IS- São uma delícia de miúdas. Tão giras por dentro como por fora. Tive muita sorte e elas também :)...




TCUP- Dizias que estás hoje mais perto de ser a mulher que sempre quiseste. Que mulher é essa?
IS- Uma mulher que vive dos seus talentos, sem qualquer medo ou complexo, dona e senhora da sua falta de tempo, mãe sem vergonha das suas fragilidades, com uma energia contagiante e uma paixão absoluta pela vida.



Obrigada, Isabel!

     O Close Up no Facebook, aqui!   

No comments:

Post a Comment