COOL HUNTING


Mais um Cool Hunting no blog!
A começar já com a Volvo Ocean Race, até dia 7 de Junho, no Cais de Pedrouços! Entrada livre, muito a ver, fazer, ouvir e dançar! É o maior evento náutico do mundo!!

MAS antes...

Hoje concerto Moulinex no LUX. Dispensa apresentações...




Sábado e domingo, 30 e 31 Stylista Summer Market. O mês termina de uma boa forma, um mercado com variadas marcas para miúdos e graúdos!



Até 15 de Agosto no MUDE, Museu do Design e da Moda está a exposição Arquitetos Designers, com uma mostra de peças de design de mobiliário, pequenos objectos e luminária. O MUDE é sempre um museu que vale a pena conhecer!


E as segundas-feiras até ao final de Junho estão reservadas para o Shot Valeriana no Teatro Villaret, com Ana Brito e Cunha e Valéria Carvalho. Muito humor e duas amigas em palco... é começar a semana a rir!



Bom fim-de-semana! 



O The Close Up no Facebook, aqui!



PRIMAVERA SOUND




A contar os dias para rumar ao Porto e dançar, dançar, dançar!



O The Close Up no Facebook, aqui!



PAULA LOBO ANTUNES... UNCONDITIONAL LOVE

Amor é a palavra que melhor descreve Paula Lobo Antunes
Logo depois vem a timidez e o sorriso confiante.

Esta entrevista com a Paula estava escrita e enviada por email há meses... Não havia forma de chegar até mim, preenchida e a Paula dizia-me "eu gosto mais de falar do que escrever... quando estivermos juntas fazemos a entrevista!".
Valeu a pena esperar. A Paula viaja nas palavras, nas memórias, nas histórias. A entrevista ficou tão mais bonita assim, sincera e verdadeira. É com a verdade que a Paula se veste todos os dias, na vida e no trabalho. Vai encontrar aqui 16 palavras, 16 viagens. Um momento por cada palavra que escolhi para a Paula comentar e a escolha não foi deixada ao acaso.

Conheci a Paula profissionalmente. Já lá vão alguns anos. Fez-se um click por algum motivo e acho que ela sente o mesmo. É uma pessoa tão bonita, madura, muito coerente, correcta e profissional. Talvez já nos tenhamos cruzado algures, sabe-se lá onde e quando. Costumo dizer muitas vezes que na vida é tudo uma questão de pele

E a minha vai bem com a da Paula!





PAULA
É o meu nome. Significa “pequena” em latim mas eu não me sinto uma pessoa pequena, sinto-me uma pessoa muito grande. Tenho este nome devido a uma tia e acho que me deu um impulso imenso para ser atriz porque ela era linda, admirava-a imenso, fez o filme “As Pupilas do Senhor Reitor”, cantava, fazia teatro…

FAMÍLIA
É o tudo, é o que eu mais admiro, me dá força e apoio. É a coisa mais importante do mundo e eu tenho uma família enorme, tenho 4 irmãs e somos muito unidas. A família é a minha base em tudo, seja em escolhas profissionais ou pessoais, e tenho muita sorte porque são o meu coração.




BEATRIZ
É a minha querida filha, que eu amor de “morte”. O nome dela significa (eu ligo muito ao significado de nomes e palavras) quem traz alegria. E ela trouxe-me uma alegria tremenda e um amor que nunca tinha sentido na vida.




JORGE
É o pai da minha filha (risos). Foi quem me ajudou a trazer ao mundo a preciosa Beatriz. É um ator, uma pessoa que admiro muito e que tem um talento tremendo e não há nada melhor do que termos ao nosso lado alguém que nos estimule a querer ser melhor e continuar esta batalha de vida e profissão.

NOVA IORQUE
É a minha cidade de coração, onde nasci e volto sempre que posso, todos os anos, nem que seja para sentir que estou a regressar às minhas origens, faz parte de mim. E é mesmo o meu coração… o símbolo I <3 NY é mesmo real.

ESTUDAR
É imperativo, essencial, uma obrigação comum, algo que nos permite seguir na vida com mais conforto e sabedoria porque nos dá mais segurança e novas perspetivas. Era incapaz de ser atriz sem estudar, gosto de estudar os papéis, as personagens, e gosto de saber, estou sempre à procura de saber. O conhecimento para mim é vital.

LONDRES
É a segunda cidade que me transformou naquilo que sou hoje. Foi onde estudei Teatro e aprendi muito. Aprendi a ser muito exigente, eficaz, é uma cidade que não dorme, multi-cultural, tem pessoas de todo o lado e aprendemos a ser mais tolerantes, a estar e a viver, a aceitar e acho que isso é muito importante. Viver em Londres deu-me uma abertura e maturidade que eu acho que se tivesse ficado em Portugal não teria.




VIAJAR
É essencial. É como o estudar, é o procurar, o conhecer. Para mim o mundo é tão grande e tão pequeno. Se eu ficasse sempre no mesmo sítio não seria feliz. Aos 18 fui para a Escócia para tirar o meu primeiro curso, depois Londres, vivi em Itália, no Brasil, passei muito tempo na Noruega também. Já viajei para muitos sítios realmente e torna-me na pessoa que sou, melhora-me como atriz. Viajar faz parte de mim.

DANÇAR
(RISOS) Eu adoro dançar! Assim que a minha filha nasceu e estava sozinha com ela em casa e tinha ela uma ou duas semanas, pegava nela ao colo, punha música e dançávamos as duas. Divertia-me, descontraía-me e aliviava o stress e ela fazia algum exercício. Sempre que posso vou dançar, faço Zumba, danço em casa com a família e os amigos. É libertador e não interessa se danço bem ou mal, o importante é mexer.

REPRESENTAR
É o meu modo de vida. Não represento no meu dia-a-dia, represento nas personagens que faço e faço-o com verdade. As pessoas acham que os atores sabem mentir e não se pode confiar mas não, os atores representam algo com verdade para que em casa seja real e credível. É algo muito puro, não é enganar ou mentir, é sagrado para mim, a representação. É sagrado pisar um palco, entrar num plateau e faço-o com toda a minha alma e pureza.




DESPORTO
Sempre fui muito atlética. Em pequenina queria ser ginasta mas não resultou. Mas joguei basquete e voleil, fui federada na Escócia. Adoro desportos de equipa e faço sempre posso, desde surf, ginástica. Gosto de praticar e ver. Admiro muito os desportistas, são pessoas batalhadores e eu identifico-me imenso com isso.

AURORA AMARAL
Foi a minha primeira grande personagem no brasil, na novela A Escrava Isaura. Era um ícone, umas das novelas mais vistas e com uma primeira versão feita nos anos 70. Quando me fizeram o convite nem queria acreditar, achava que era mentira. Soube numa sexta e na segunda já estava a caminho do Brasil, nem sequer tive de fazer casting. Foi um sonho tornado real, é uma sensação maravilhosa. A personagem era uma delícia, era a única portuguesa no elenco e fui muito bem recebida. Nunca tinha feito novela e estava nervosa mas sentia-me segura com tudo o que tinha aprendido em Londres. Um trabalho muito bem reconhecido, uma experiência inesquecível e senti “Agora sou atriz”…

DIANA
Foi a minha última personagem na novela Mulheres e foi a primeira personagem depois de ter sido mãe e acho que a fiz com uma confiança que ainda não tinha sentido. Vamos ganhando, com os anos, experiência e segurança e a Diana estava tão bem escrita que foi chegar e falar. Não me identificava muito com a Diana e no início não foi fácil. Não sou tão frontal como ela!



PRAIA
Sempre vivi perto da praia. Uma vez li que as pessoas gostam tanto do mar porque faz lembrar a barriga da mãe, cercados de água. E então o mar é um pouco esse regresso, fico horas a olhar para o mar, sem pensar, sem música, nada. É uma forma de me acalmar, relativizar e sentir tranquila. Gosto de sentir a areia, não preciso de usar toalha, saio da água e posso deitar-me na areia. É algo muito simples e natural. É o meu porto seguro.

AMAR
É essencial. Estou sempre a dizer à minha filha “I love you, I love you” e ela já responde. Quero que ela sinta que tudo é para amar, prefiro ensinar a amar do que a odiar. Nascemos sem preconceito e eu quero que ela nunca os tenha, que seja generosa, dada e que aprenda a amar com todo o coração. É claro que acontecem sempre coisas más mas, ainda assim, amar é tudo. É dar um pouco de nós sem pedir nada em troca. Cada vez amo mais e acho que hoje em dia as pessoas amam pouco, têm muita raiva e isso faz mal, traz negatividade. O meu hashtag #inconditionallove é tudo isto, amar não faz de nós mais fracos nem uns totós, faz-nos pessoas mais fortes e o amor vence tudo.




SORRIR
(risos) Nem sempre é fácil. Eu sou de sorriso fácil mas acho que tem a ver também com a minha timidez. Sorrir é contagioso, posso sorrir na rua a um desconhecido e gosto de ver o efeito que causa e ver se sorriem de volta. Temos de sorrir mais. A Beatriz (…estou sempre a falar da minha filha, isto é tão estranho – risos) não foi de sorriso fácil. Não sorria nada e era bastante sisuda mas acho engraçado porque quando ela sorri tudo se transforma. Nisto ela não sai a mim! As pessoas ficam mais bonitas a sorrir, é a melhor forma de expressar um sentimento.




Obrigada pelo carinho, Paula!



O The Close Up no Facebook, aqui!